20.10.04

INTRODUÇÃO

O impulso que nos levou a criar este blogue explica-se em poucas palavras: uma vez que o suplemento DNA (sai às sextas-feiras, com o «Diário de Notícias») não tem edição electrónica, decidimos criar na blogosfera um espaço onde se reflectisse – e ampliasse – a página que temos assinado semanalmente, a quatro mãos, no clássico papel de jornal. Ou seja, uma versão internética de um projecto pensado para a imprensa, com a óbvia vantagem de chegar a mais (e diferentes) leitores. De preferência àqueles leitores que gostem de interagir e nos façam chegar o seu feedback, seja por e-mail, seja através de comentários aos textos e imagens publicados.
Comecemos então por clarificar um pouco melhor o conceito deste «O verso dos versos». A ideia surgiu em Setembro de 2004, sob a forma de um desafio que o Pedro Rolo Duarte, director do DNA, nos lançou: «e se vocês fizessem uma página em que se cruzasse ficção e poesia?» Aceitámos o repto e depressa chegámos a um modelo. Partiremos sempre de um poema forte, capaz de sugerir pistas para uma experimentação narrativa e fotográfica. No entanto, quer os textos (de José Mário Silva) quer as imagens (de José Miguel Soares) tentarão fugir às armadilhas da facilidade. O que se pretende não é explicar o poema, muito menos interpretá-lo, antes criar algo que "nasça" do poema e ao mesmo tempo esteja para lá da sua matéria original. Nuns casos talvez sobreviva uma mesma atmosfera; noutros casos apenas um ou outro eco, um fio de luz, uma sombra (ou coisas ainda mais impalpáveis). O poema servirá sempre de inspiração, mote ou epígrafe, mas não mais do que isso.
Iniciemos então o caminho, desconhecendo ainda onde ele nos poderá levar.

2 Comments:

Blogger tecum said...

Por um daqueles acasos da navegação, acabei de aqui aportar. Eis leitora do DNA, estou deliciada. Voltarei.

21 de novembro de 2004 às 14:52  
Anonymous Anónimo said...

gostava de saber se verso dos versos está
editado em livro

17 de janeiro de 2013 às 12:37  

Enviar um comentário

<< Home